Passear de olhos fechados numa cidade pode ser uma das experiências mais fascinantes e reveladoras. A informação visual é determinante no nosso dia a dia, e uma grande parte da nossa atenção é concentrada nas expressões faciais das pessoas, os avisos dos sinais vermelhos ou dos carros que se aproximam de nós ou a arquitectura que nos rodeia. Mas, ao fecharmos os olhos, é como se todo um novo mundo emergisse. Muitas vezes esquecemo-nos de ouvir, e de ouvir com atenção, e é precisamente quando nos concentramos no mundo sonoro que nos rodeia que alguns pormenores, ou especificidades, emergem e adquirem todo um novo significado.